sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Nota da Redação

A fim de prestar alguns esclarecimentos, informo que o proprietário deste blog foi convocado com urgência por Barack Obama, para compor o órgão especial de combate à crise financeira que assola o mundo.
Em razão de possuir o título de PhD em Finanças (e que não admite em hipótese alguma), hoje é a pessoa mais bem qualificada junto à nova equipe de governo americana, no setor financeiro.

Por isso, talvez sim, talvez não, ele volte logo.

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Associação dos poetas gasparenses

Era uma bela manhã ensolarada quando acordei. Lá fora, os passarinhos voavam serelepes pela brisa fresca da manhã, enquanto entoavam belas canções de amor com seus delicados, porém letais, bicos.

Abri a janela para que pudesse melhor ouvir o cantarolar dos pássaros que enchiam belamente o céu. Seriam canarinhos? Talvez sabiás vermelhas? Infelizmente não sou um perito na arte da identificação de pássaros, apenas um amante da música e das coisas simples da vida. Sentei-me na sacada e por alguns breves instantes todos os meus sentidos se voltaram para o doce assobiar dessas singelas criaturas voadoras. Quisera eu ser um passarinho e cruzar livremente os céus. Quisera eu.

Despedi-me das aves cantoras e desci para o primeiro andar da residência. Comi um pãozinho francês com doce de leite, enquanto degustava de um copo de achocolatado com leite. Duas colheres de achocolatado e algumas centenas de mililitros de leite, para ser mais especifico.

Sentei-me ao computador e dei uma olhada nos meus e-mails. Para minha infelicidade, mais uma vez um imbecil havia se aproveitado do AVA, Ambiente Virtual de Aprendizagem, para mandar para todo mundo que cursa direito na FURB um texto falando mal do Décio Lima, que é do PT, do prefeito de Itajaí, que é do PT, e do PT, que é a sigla do Partido dos "Trabalhadores". Referido texto, a revelia da lei, imputava aos detentores de cargos eletivos supra mencionados uma série de ofensas. Isso sem contar as acusações gratuitas, sem qualquer tipo de fundamento. O tom do e-mail era aquele clássico: "o PT é bobo; os partidos neoliberalistas que apoiaram a ditadura militar são legais. Eu leio Veja, logo só existem verdades absolutas, sendo que o que eu eu penso sobre a atual conjuntura política nacional é a forma correta de vê-la e não pode ser questionada, sob pena de afrontar os pilares da sociedade 'livre' e da 'democracia'. Blablablabla sou um imbecil."

Não sou do PT, não sou simpatizante do PT, nunca votei no Décio Lima, nem conheço o prefeito de Itajaí.

Mas veja que o AVA "é um sistema de gerenciamento do ensino e aprendizagem que funciona pela Internet. Através desse instrumento a universidade pretende aumentar cada vez mais a interação entre os membros da comunidade acadêmica. [...] Através do AVA-FURB são disponibilizados arquivos com o conteúdo das aulas"¹.

Oras, o cara não precisa ser muito inteligente para assimilar que o AVA é um instrumento de ensino e não de panfletagem política.

Considerando esses pontos, eis a resposta que mandei para o remetente:


"Por favor, guarde suas opiniões politiqueiras para você mesma, ou, ao menos, não envie esse tipo de coisa para mim. Até por quê, como você deve saber, a função do AVA é a disseminação de conteúdo de aula e não de panfletagem politica.

Acrescento, ainda, que difamar ou caluniar alguém, imputando-lhe fato ofensivo à sua reputação ou atribuindo-lhe a prática de crime sem que haja uma sentença penal condenatória transitada em julgado, são práticas passíveis de persecução no âmbito cível e penal, conforme legislação vigente; mas isso você, enquanto estudante do curso de direito, já deve saber. Assim, se eu fosse você, eu tomaria mais
cuidado com o que eu escrevo e mando para pessoas que eu sequer conheço, quiça saiba suas ideologias políticas

Veja, minha cara, não me entenda mal, mas não existem verdades absolutas, cada um pensa o mundo da sua forma, e não é porque eu não gosto do partido X ou partido Y que eu vou ficar enchendo o saco de pessoas que, como já disse, eu sequer conheço e que podem ver essa situação de forma diversa.

De qualquer sorte, caso você queria que as pessoas saibam o que você pensa sobre essa questão, aconselho que você mande uma cartinha para o seu jornal favorito ou crie um blog ou qualquer outra coisa que não inclua a utilização indevida do AVA.

Abraços.

R."


Ao terminar minha resposta, era como se eu tivesse uma escola de samba sob o peito; meu coração batia forte da excitação de mandar, subjetivamente, um "cala boca, porra" para um burguesinho hedonista, egoísta e consumista de merda. Respirei fundo algumas vezes e, a cada respirada, meu coração ia, lentamente, retomando ao seu ritmo normal. Parei por um segundo, ao fundo eu ainda podia ouvir o doce piar das andorinhas.

¹ - http://ava.furb.br/ava/portal/ambiente.php - Acesso em 05/12/08

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Lições de Etiqueta na Biblioteca

Quem me conhece sabe que sou uma pessoa calma, serena, tranqüila, comedida e inapta avessa ao contato com outros seres humanos. Todavia, existem certas coisas que despertam a cólera do dragão adormecido dentro de mim. Coisas como pessoas se chupando e trocando juras de amor no banco da frente, quando estou no Verde-Vale, ou pessoas que cagam e não puxam a descarga, ou qualquer outra atitude que denote o desprezo de alguém pela harmônia do convívio em sociedade.

Ocorre que no topo da lista, logo acima de pessoas se chupando no Verde-Vale, repousa soberana: pessoas que vão para Biblioteca da FURB bater papo, enquanto os outros estão tentando estudar.

"Porra, velho, vai tomar no teu cú, seu filho-duma-puta, vai bater papo na puta-que-o-pariu, caralho", é o que tenho vontade de dizer para essas pessoas. E se o cara ficasse embassando, eu diria algo do tipo: "vagabundo que fica batendo papo na biblioteca tem que morrer, tem que meter dois tiros na cara. Eu já matei um e mato outro se precisar!" Até por quê, como diria a negona maluca do 31: "deus perdoa 'os pecador'".

E se mesmo assim o cara não fechasse a matraca, eu pegaria a minha peixeira e cortaria a língua suja dele fora. Quero ver se ele ia querer bater papo na biblioteca de novo.

Sério, tenho tentado aproveitar minha vida de desempregado/desabrigado, dedicando-me ao estudo do direito e do Kama Sutra aqui na Biblioteca Central da FURB, mas tá foda. Não passa um dia sem que "zé guedes" fiquem tagarelando do meu lado. Ontem era um maloqueiro e uma descerebrada matraqueando sobre baladas iradas, hoje, dois idiotas conversando histericamente sobre coisas igualmente idiotas.

Devo admitir que sou acometidos de fortes impulsos de violência em situações assim, mas tento me controlar, meu psicologo disse que sou um cara perturbado.

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Respeito é pra quem tem

Tava lendo o blog do Allan Sieber e me chamou a atenção uma menção que ele fez a um outro blog intitulado WAGNER & BEETHOVEN. No blog mecionado achei essa brilhante passagem:





Ilustrações kibadas descaradamente de WAGNER & BEETHOVEN.

O Gasparense vs. Mega Metropole Paulista - Cap 1

Em novembro, antes das fortes chuvas que tingiram as águas transparentes do grande belo Vale do Itajaí, eu tava trabalhando num relato sobre uma recente ida minha à São Paulo. Várias semanas já se passaram desde aqueles dias, mas caso ainda haja interesse, não deixe de ler esse relato que o cara da sessão da tarde chamaria de:

Um gasparense do barulho aprontando altas loucura numa cidade boa pra cachorro!

Confira:

Então, na última terça-feira 18 de novembro, fui lá no Consulado Geral dos Sazunidos tentar obter um novo visto de mão de obra barata do terceiro mundo trabalho. O que eu consegui, mas, ad argumentandum tantum, deixe-me contar a história toda.

Na segunda feira de noite às 19 horas embarquei no buzo ali em Blumenau. Era um daqueles ônibus de sacoleiro, que saem num dia de noite e já voltam no outro dia de noite, popularmente conhecidos como "bate e volta". Veja só, se eu tivesse ido pra São Paulo com aquela empresa que, ao arrepio da Lei, detém o monopólio do transporte coletivo SC-SP, eu teria pago 120 reais pra ir e 120 mangos pra voltar, isso com o ônibus mais furreco. Ali não, paguei 160 pila ida e volta, sacumé? E o ônibus, ao contrário do que você possa estar imaginando, era bom pra caramba, melhor até do que aqueles "daquela outra empresa que não citarei o nome por motivos jurídico-legais"

Felizmente obtive um lugar na janela e, graças ao bom deus, ninguém sentou-se do meu lado.

Mas nem tudo foi só alegria na viagem. No ônibus havia um moderno sistema de DVD que era operado pelo motorista, com três telas de LCD distribuídas equidistantementes ao longo do corredor e, assim que o buzo zarpou, para a felicidade dos demais passageiros, iniciou-se a reprodução de um típico DVD do gênero "corno music" de qualidade duvidosa, protagonizado por uma dupla sertaneja intitulada "Vitor & Leo". Não obstante o gênero musical, o cara da dupla que tocava violão se achava o Jimmi Hendrix caucasiano, o que tornava o espetáculo mais perturbador ainda. Verificado isso, prontamente saquei meu I-pobre e iniciei a execução de uma seleção de músicas de qualidade inegável.

Em dado momento, finalmente a porcaria do DVD acabou, apagaram-se as luzes e a galera foi dormir. Eu até tentei, mas não consegui, na verdade, tenho uma dificuldade tremenda para dormir em viagens de ônibus ou avião. Varei a noite ouvindo música no meu i-pobre, bebendo o refrigerante que estava, gratuitamente, a disposição dos passageiros no frigobar do ônibus e acompanhando o movimento na estrada.

Já no estado de São Paulo, era bizarro assistir ao movimento de caminhões nas estradas ir se avolumando até tal ponto que, próximo à região metropolitana de São Paulo, ficamos algum tempo parados em um engarrafamento de caminhões, isso as 3 horas da manhã. Fato que não tem relevância nenhuma no desenrolar dessa história, mas que achei interessante relatar :)

Era umas 4 horas da manhã quando um dos motoristas, eram dois, veio me acordar. Ao contrário dos outros passageiros, eu não ia pra "feirinha da madrugada", nem pra "25 de março". Conforme eu já havia combinado anteriormente com o motora, eu ia ficar na Estação de Metro São Bento, nas proximidades da Praça do Correio.

Ali pelas 4:20-4:30 da manhã, um rapaz branco do interior de Santa Catarina saltou na frente da estação de metro supramencionada. Apesar de já ser quase de manhã, a escuridão imperava absoluta e uma briza gélida flagelava violentamente meu corpo esquálido. A entrada da estação era margeada pela Praça do Correio e por um viaduto da rua Santa Ifigênia. Dormindo embaixo do viaduto e pela praça podia se contabilizar um número maior de mendigos do que pessoas com escolaridade de nível superior na cidade de Gaspar, num total de pelos menos uns 20 mendigos serenamente adormecidos.

Pra minha surpresa, a estação só abria às 4:40 e eu ia ter que ficar esperando uns 10 minutos a merce do frio fustigante, da noite sinistra e dos bandidos paulistas que, segundo dizem, são mais perversos que os paranaenses.

Além dos mendigos, havia um único cara numa cadeira de roda esperando nas proximidades pela abertura do metro, imagino eu. Na rua em frente, só um ou outro taxi passava rapidamente de vez em quando. Bem próximo das 4:40 um cidadão de aparência inofensiva e de banho tomado, ao contrário das outras pessoas que andam pelas ruas de São Paulo as 4:35 da manhã, colocou-se do meu lado, também esperando pela abertura do metro. Fitei-o desconfiadamente e ele, simpaticamente, disse: "opa". Achei estranho, um estranho cumprimentando outro em São Paulo e isso às 4 horas da manhã, mas mesmo assim respondi timidamente: "opa". O cara então me perguntou, se eu sabia que linha do metro ele tinha que pegar para chegar em lugar x. No que eu respondi simpaticamente: "ah, velho, eu sou de Santa Catarina, não sei nem o que eu tô fazendo aqui, quanto mais que linha de metro tu tem que pegar". O cara achou engraçado e falou: "Santa Catarina é? Eu moro mais ao sul do que tu então" e esboçou mais um sorriso. "És do Rio Grande do Sul?" perguntei, o que era óbvio, mas perguntei mesmo assim. O cara assentiu e começou a me contar que tinha vindo a São Paulo à negócio por um empresa que ele trabalhava no Rio Grande e que tinham dito pra ele pegar um ônibus ali perto, mas que o ônibus nunca veio e que ele ia pegar o metro. Ele tinha bem cara de gaúcho, devia ter uns 40 anos, estatura mediana, uma calvice em estado inicial se alastrando vagarosamente pela cabeça e, é claro, um típico bigodinho gauchesco.

Devo admitir que eu não dava a mínima para o que o cara fazia da vida, mas fiquei prestando atenção e assentindo com a cabeça enquanto ele me contava, pois me pareceu mais seguro ficar ali com ele do que sozinho.

O que fechava a estação era uma grande grade, atrás das grades só se via um interminável corredor, não sendo possível divisar o seu fim. Às 4:40 vi o guardinha vindo lá do fundo da estação para abri-la. Despedi-me do gaúcho e vi ele e o cara de cadeira de rodas entrarem apressados. Eu não tinha pressa, até por que não ia pegar metro nem nada, na realidade eu só estava ali porque tinha combinado de esperar meu brother ali na São Bento que iria me dar um toque quando estivesse chegando. Mas é claro que eu preferia esperar lá dentro, então acabei entrando também.

No interior da estação alguns começaram a formar fila em frente ao guichê para comprar passagens. Outros, com as passagens já em mão se dirigiam diretamente para as catracas. Eu fiquei esperando a ligação do cara perto de dois guardinhas que vigiavam a estação. Ao contrário dos guardinhas que vigiam as coisas em Santa Catarina, normalmente velhos ou obesos, por óbvio incapazes de impor respeito quiça impedir qualquer tipo de delinqüência, os guardinhas daquela estação eram dois caras gigantes assim, e era fácil imaginá-los dando uma surra em mim ou em algum vagabundo que pudesse estar admoestando os usuários do metro. Mas eu não estava incomodando ninguém, eu só tava ali num canto, encostado na parede entre o guichê e as catracas esperando uma ligação.

Na parede oposta ao local aonde eu estava aguardando, havia um mapa gigante dos arredores e dois outros quadros gigantes contendo normas de utilização do metro. Dirige-me, então, a essa parede e fiquei um tempo analisando o mapa que, como eu disse, continha informações sobre atrações turísticas e serviços públicos nas proximidades da Estação São Bento. Ali por perto, segundo o mapa, cito o Mercado Público, a rua 25 de Março e algumas dezenas de Varas da Justiça do Trabalho.

Ato continuo, iniciei uma análise atenta das condutas tidas como ilegais na utilização do metro, longamente relacionadas nos dois quadros ao lado, quase sempre com a devida remissão ao Código Penal ou Lei de Contravenções Penais. Chamou-me a atenção "mendigar ou portar-se de forma que cause repugnância aos demais passageiros", restrição que seria de grande valia nos coletivos da Viação Verde Vale.

Voltei para a parede próxima aos guichês e aguardei mais um pouco. Uma hora a fila para comprar passagem ficou vazia e eu fui lá falar com a mulherzinha do guichê e, só a título de curiosidade, pedi um mapinha do sistema de metro. A mina aproximou a cabeça do vidro e perguntou: "como?". Eu repeti o pedido. "só um?" a moça perguntou. Eu assenti e ela me deu um mapinha. "Tu é do interior?" a guria emendou. Respondi que eu era de Santa Catarina. "Ah, que bacana. Boas compras" ela falou. Agradeci e voltei pra minha parede. A mulher deve ter se perguntando o que um cara branco, do interior de Santa Catarina e de roupa social fazia encostado há duas horas em uma parede. Mas enfim.

Passadas algumas horas, eu comecei a cansar de ficar encostado ali na mesma parede. Lá fora, pude ver que o sol já estava raiando, então resolvi ir lá dar uma olhada e esperar por lá mesmo. Ao contrário da mansidão de quando eu havia chego, as coisas haviam mudado. Uma banquinha ali na Praça do Correio agora estava aberta, quis ir lá dar olhada nos jornais, mas havia uma porção de mendigos acordando ali por perto, então desisti. As calçadas agora estavam repletas de pessoas e diversos carros cruzavam as ruas apressadamente. Na mesma hora meu brother me liga e pergunta se estou na Estação São Bento. Digo que sim, e que estou do lado de fora, nas proximidades do viaduto da rua Santa Ifigênia. "Beleza, já estou chegando ai" ele me diz.

Um mendigo que passava por ali me indaga: "ô, irmãozinho, tem um trocado ai? Nem vai te faze falta. Acabei de acordar, só pra mim tomar um café, irmãozinho". Irmãozinho é a minha pica de óculos, pensei. Mas mesmo assim saquei minha mochila e dei pro cara cinqüenta centavos em moedas de 10 e 5 centavos. O cara agradece e vai em direção aos mendigos que estão perto da banca de revista. Conforme ele vai se afastando, posso então ver que ele, apesar de banguela, não tem a menor pinta de mendigo. O cara, inclusive, tava usando uma jaqueta da adidas, que mesmo não sendo original, estava limpa, levando-me a crer que o cara nem dormia na rua. "Pseudo-mendigo filho-da-puta" pensei comigo mesmo. O pseudo-mendigo trocou umas palavras com os mendigos de verdade e foi se embora com meus 50 centavos.

Fiquei observando o trânsito de pessoas e carros. E lá ao longe vejo o pseudo-mendigo voltando, indo em direção aos mendigos de verdade. Agora ele estava fumando um cigarro, segurando uma carteira de cigarros com uma das mãos. No mínimo o pseudo-mendigo usou meu dinheiro para comprar uma porcaria de carteira de cigarros. "Bons tempo em que mendigos usavam nosso dinheiro só para comprar cachaça" pensei para comigo. Nesse instante vejo se aproximando um carro que passa por mim e dá uma buzinadinha. Era meu brother. Ele para num ponto de ônibus próximo e eu embarco. Junto com ele estava um outro cara, o Ednaldo.

Só abrindo um parenteses, no ano passado, quando eu fui tirar o visto para ir trabalhar na Disney, quem me levou no Consulado aqui em São Paulo foi só o Ednaldo. Junto comigo, tinha uma daquelas gurias que acham o máximo ir para os Estados Unidos. Depois que ambos saimos do consulado de posse de nossos vistos, eu, a guria e o Ednaldo fomos tomar um cafezinho numa padaria bem próxima dali. Como é típico dessas pessoas que acham o máximo ir para Estados Unidos, a guria começou a falar, sem que ninguém pedisse, sobre suas maravilhosas experiências passadas nos EUA. Quando a mina finalmente calou a boca, Ednaldo perspicazmente falou "olha, eu não pago pau pra americano não". Sábio Ednaldo. Fecha parenteses.

Mas enfim, após uns 30 minutos, meu brother e Ednaldo chegaram no Consulado. Pediram-me que ligasse quando eu tivesse sido liberado, pois não poderiam esperar, já que tinham uns negócios para resolver. Disse que não havia problema algum. Saltei do carro, agradeci, despedi-me e eles partiram.

Já era quase 8 horas da manhã. Na porta do consulado haviam duas filas: uma grande do pessoal que tinha entrevista marcada até as 10 horas e outra menor que era pro pessoal que tinha entrevista marcada das 10 horas em diante. Entrei na segunda fila. Fiquei ali de bobeira esperando e prestando atenção nas conversas de um grupinho que estava na minha frente e de outro grupinho que estava atrás de mim na fila. Conversavam sobre como era o máximo ir para os Estados Unidos e como lavar pratos nos Estados Unidos não era uma prática indigna, ao contrário do Brasil, onde tal tarefa é relegada aos indivíduos oriundos dos estratos mais baixos da sociedade. Maldita juventude burguesa.

Conforme a fila ia crescendo, uma hora passou um individuo entregando cartõezinhos de uma agência de viagens que ficava do outro lado da rua. Quando passou por mim, o sujeito entregou seu cartãozinho e falou: "mermão, não queis deixar tua mochilha no nosso guarda-volumes? Eles não deixam entrar de mochila não". "Não, obrigado", respondi. Por certo o cara ia querer me cobrar 20 reais pra deixa a mochila no guarda-volumes dele. De qualquer forma, achei essa notícia perturbadora. Se de fato eu não pudesse entrar com a minha mochila, eu tava ferrado, ia ter que atrás do cara, pagar 20 reais e perder meu lugar na fila que, a essas horas, já tava gigante. Perguntei, então, pro cara na minha frente que também estava de mochila se, de fato, não era possível entrar de mochila. "Não sei", ele disse, "mas as mulheres tão podendo entrar de bolsa", ele complementou.

Quando todo mundo da outra fila já tinha entrado e finalmente abriram as porteiras pra minha fila entrar, o guardinha só pediu pra revistar minha mochila e me liberou. Felizmente eu não tinha caído no golpe daquele cara do guarda-volumes. Agora, já "dentro da parte externa do consulado", peguei uma segunda fila, maior ainda que a primeira. Nela, passou um funcionário do consulado de sexualidade duvidosa e com luzes no cabelo. Ele botou meu formulários na ordem e grampeou-os. Em seguida, passa uma outra funcionária do consulado. Essa, muito menos simpática que o viadinho, risca todos os campos do formulário que, segundo ela, eu havia preenchido errado e manda eu consertar. "Galega filha-duma-puta", penso para comigo mesmo. Arrumo a caneta os campos supostamente preenchidos errados. Chego no final dessa fila e uma guria confere novamente meus formulários para ver se esta tudo certo. "Tu esqueceu de assinar e datar". Assino e dato a porra do formulário. A guria manda eu entrar.

Agora estou numa ante sala, com vários guardinhas e um equipamento de raio-x. Um guardinha atrás do balcão pergunta se eu tenho algum equipamento eletrônico dentro da mochila. Digo que sim. Ele manda eu tirá-los e dá-los para ele. Tiro um i-podre, um celular e uma câmera digital e dou pro cara. Ao pegar meus eletrônicos o cara pergunta: "Pô, eis profissional" se referindo a minha câmera. Digo que não. "Pô, tens uma câmera doida dessa só de boa?". Digo que sim, ele emite uns grunhidos inteligivelmente e me dá uma senha pra retirar meus eletrônicos na saída. Enquanto isso, um outro guardinha passa minha mochila no raio-x. Liberam-me e me mandam seguir a faixa amarela. Saio da ante sala e começo a seguir uma faixa amarela no chão. Para minha infelicidade, a maldita faixa amarela me leva pra mais uma fila, a terceira, maior do que a primeira e a segunda somadas.

Conforme vou chegando ao final da fila, isso depois de mais de uma hora, descubro que essa fila é só para pegar uma senha e, só dai então, iniciar meu atendimento. Recebo a senha de número 8143.

Agora não tem mais fila. Tenho só que ficar de olho no telão e esperar minha senha ser chamada. Esse local fica dentro das dependências do consulado, mas é ao ar livre mesmo. Sob nossas cabeças, só um frágil telhado de eternit. Só há parede em um lado e nessa parede há uns 16 guiches. Sendo que, para obter o visto, tu precisa passar por cinco guiches diferentes. Um intitulado de "pré-entrevista", um pra pagar mais uma taxa, um para escanearem teu rabo, digo, teus dedos, um onde rola a entrevista de verdade e outro pra pagar mais outra taxa. O problema é que, com exceção dos dois guichês de pagamento de taxa, em todos os outros demora mais de uma hora para chamarem a tua senha. Um verdadeiro disparate.

Mas enfim, passadas quase quatro horas, finalmente cheguei no guichê da entrevista. A mulher perguntou em "ingreis" que faculdade eu fazia, pra onde eu ia nos Estado Unidos e o que que meus pais faziam. Respondi as perguntas, a mulher deu umas batucadas no teclado e sentenciou: "Ok, seu visto foi aprovado. Boa viagem.". Agradeci, despedi-me, paguei uma última taxa e sai do consulado. Era exatamente meio-dia.

Já do lado de fora, liguei pro meu brother e disse que eu havia sido liberado. "Beleza, mas não posso ir te buscar agora, vai ali no Shopping Morumbi e fica matando um tempo por lá, que mais pro final do dia vou ali te buscar" ele me disse. "Sem neura", respondi. Eu sabia que, de fato, o Shopping Morumbi ficava ali perto, então perguntei prum carinha que cuidava dum estacionamento ali perto "como faço pra chegar no Shopping Morumbi?". "Entra na primeira rua a direita e na terceira rua a esquerda".

Fiz isso, cheguei no Shopping Morumbi. Ele era gigante. Maior do que qualquer outro shopping que eu já tenha ido antes. Almocei numa das praças de alimentação. Sério. O Shopping tinha três praças de alimentação. Duas de pobre e uma de restaurantes granfinos. Almocei numa das de pobre mesmo.

Tinha umas lojas bem legais lá, "inscrusive" uma FNAC e uma Saraiva "super-hiper-mega-store". O legal das lojas de eletrônicos lá é que as coisas ficam assim nuns balcões e tu pode mexer neles e tudo, inclusive nos computadores. Dava até pra jogar nuns X-Box 360 e Nintendos Wii que estavam a venda. Bem doido. Infelizmente não tinha dinheiro para adquirir nenhum dos dois. Mas basicamente fiquei fazendo isso durante umas 3 horas, mantando tempo ali no Shopping, mexendo em eletrônicos intangíveis para mim.

Depois de algumas horas meu brother e Ednaldo vieram me buscar. Eram umas 16 horas, sendo que meu busão saia da Estação Turística do Treme-Treme às 17:30 horas. Externei minha preocupação de que não chegaríamos a tempo, mas Ednaldo me tranqüilizou, dizendo que tínhamos tempo ainda. Respirei aliviado. Todavia, um pouco mais pra frente, o trânsito que até então estava tranquilo, transformou-se num mar de carros. Paramos e para todos os lados que se olhava, viam-se carros. Sério. Deviamos estar numa rua com 5 faixas, margeada por outras ruas de cinco faixas, e sob nossas cabeças, viadutos de cinco faixas. E todas as faixas estavam repletas de carros parados. Preocupado, meu brother falou: "e agora, Ednaldo?". Meu brother também não era de São Paulo, mas felizmente uma ida sua à São Paulo coincidiu com a minha. Ednaldo, por sua vez, morava a anos na capital paulista. "Que horas teu ônibus sai mesmo?", Ednaldo perguntou. "Cinco e meia", respondi. "Então é melhor tu começar a rezar", Ednaldo sentenciou.

Por alguma graça divina, era só aquele trecho que estava congestionado, em seguida, então, pudemos seguir a toda velocidade em direção ao Treme-Treme.

Do outro lado da rua do Treme-Treme, local onde eu iria pegar meu ônibus de volta pra Gaspar, ficava o Mercado Público. Essa rua devia ter umas dez faixas. Ao contrário de Gaspar, em São Paulo todas as ruas tem pelo menos cinco faixas e se você olhar pra cima, com certeza vai ver um viaduto de, pelo menos, cinco faixas.

Mas, enfim, meu brother estacionou o carro ali no Mercado Público mesmo. Era umas 17 horas. Segundo Ednaldo, antes de eu ir embora, eu tinha que provar um pastel de bacalhau que era comercializado nas dependências do Mercado Público. Eu disse que não estava com fome, na verdade eu só queria correr e embarcar no meu ônibus, que eu já tinha avistado do outro lado da rua. Sou meio neurótico com essas coisas, mesmo ainda tendo meia hora, eu tinha certeza de que, caso eu não entrasse no ônibus agora, ele iria embora e me deixar ali. Ednaldo insistiu, disse até que pagava. Acabei cedendo, entramos e comemos o famigerado pastel de bacalhau, do qual Ednaldo tanto falava. Era bom, não me lembro de já ter comido algum pastel de bacalhau. Quando finalmente acabei de comer, olhei no relógio, eram 17:20, o pastel era gigantesco.

Alarmado com o horário, agradeci e me despedi apressadamente. Como um louco, atravessei a rua de dez faixas. Não bastasse isso, a pista ainda era dividida por um riozinho sujo.

Essa estação é conhecida como Estação do Treme-Treme, pois ela fica do lado de um edifício denominado Treme-Treme, que é uma prédio abandonado gigantesco, habitado apenas por mendigos e putas, segundo Ednaldo, e que a prefeitura de São Paulo quer demolir, mas os mendigo e putas não querem deixar. Mas, enfim, embarquei no ônibus e voltei pra Gaspar.

Fim.

PS: Eu tirei uma porção de fotos nessa viagem, pois pretendia ilustrar esse relato com elas e tornar a parada mais "lúdica". Inocentemente, então, baixei elas para o meu pobrebook e deletei-as de minha câmera. Todavia, mal sabia eu das fortes chuvas que assolariam a região e viriam a submergir meu notebook em uma grossa camada de lama. Pau na minha "ponba"®, entende?

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

um dia na vida

Desde que me tornei um desabrigado, em razão das fortes chuvas que assolaram a "Europa Brasileira" (sic), estou a residir na casa de Srta. K.M., que gentilmente se dispôs a me abrigar.

Algumas tolhas velhas foram geometricamente dispostas no chão da lavação, as quais me servem de cama. Em uma das extremidades de meu colchão improvisado, algumas cuecas descartadas pelo patriarca da família foram amontoadas, servindo-me de travesseiro. Do lado direito do "colchão", pode se ver duas caminhas redondas aonde dormem os dois cachorrinhos da família. São dois cãezinhos poodle, aquela raça de cachorro apreciada por madames do mundo todo.

Hoje acordei, devia ser uma 10 horas. Fui o último a acordar na casa, então tomei café sozinho. Banheie-me rapidamente e peguei uma carona com Srta. K.M., que estava indo trabalhar, até a FURB. De lá, caminhei até o terminal da PROEB, pois precisava pegar um ônibus para ir até o centro, eu precisava ir no banco e devolver um DVD no shopping para minha amasia, Srta. K.M. Enquanto eu caminhava da FURB até o terminal, dois fatores dificultavam minha marcha solitária: um sol do cacete torrando o mundo e o fato de eu ter que andar no meio da rua, já que não havia uma única calçada entre a FURB e o terminal que não estivesse coberta por 10 cm de lama. Sério.

Num dia quente como esse, eu deveria ter saído de casa de bermuda, mas, infelizmente, em razão das fortes chuvas que assolaram o "Coração do Vale" (sic), eu não tenho mais bermudas, então tive que sair de calça jeans mesmo, e o sol era tão quente que, mesmo de calça, eu podia sentir o suor escorrendo pelas minhas pernas cabeludas e minha careca precoce sendo impiedosamente fritada pelo sol escaldante. Fazia dez minutos que eu havia tomado banho e eu já tava todo suado, isso sem contar o cheiro de asa queimada. Sério.

Finalmente cheguei na porcaria do terminal de ônibus da PROEB. Perto da catraca de entrada, vi uma plaquinha informando o preço da passagem: "R$ 2,05", ela dizia. Me aproximei do guichê e dei R$ 5,10 para o tio, pois, como sou um cara muito altruísta, queria facilitar o troco do tio da catraca. Peguei meu troco, passei por uma catraca barulhenta. Agora estava dentro do terminal. Tudo tava bem sujo ainda, inclusive dentro dos lixeiros ainda havia barro. Quando fui guardar meu troco, pude verificar que o tio da catraca, provavelmente na falta de moedas de cinco centavos, havia me dado um golpe. Veja que a passagem custava R$ 2,05, sendo que eu havia dado pra ele R$ 5,10, logo meu troco deveria ter sido R$ 3,05. Ocorre que o tio, ao arrepio da legislação consumerista, devolveu-me apenas 3 reais. "Filho duma puta", pensei. "Maldito servo do consórcio maligno que detêm a concessão do transporte coletivo em Blumenau", refleti. Eu tava pronto pra aplicar um mata leão nele e fazê-lo se arrepender do dia em que ele surrupiou meus cinco centavos. "Que tipo de monstro subtrai, sorrateiramente, cinco centavos do troco de caras desempregados e desabrigados como eu?". Por certo, se ele fica com 5 centavos do troco de todo mundo que entra no terminal da PROEB todos os dias, em breve ele deve pedir demissão e se mudar para as Bahamas. "Mas pensando bem, quem pode culpá-lo por querer se mudar para as Bahamas, levando consigo alguns dólares para impressionar as nativas?", pensei. Resolvi, então, deixar quieto, afinal de contas, quisera eu largar meu emprego de merda e me mudar para algum paraíso tropical, assim como ele, possivelmente, pretendia.

Superada essa celeuma, resolvi tentar descobrir qual, dentre as milhares de linhas que passam por esse terminal, poderia me levar até o centro de Blumenau. Meu medo era pegar um ônibus errado e ir parar lá na puta-que-o-pariu, digo, em algum bairro longínquo e desconhecido para mim, um rapaz interiorano e com pouco dinheiro no bolso. A origem desse meu medo reside em um fato acontecido há muito tempo atrás, quando eu ainda era um jovem cheio de vida e sonhos. Naquela oportunidade, era umas 2 ou 3 horas da manhã e eu tinha saído de um local lá na Fortaleza onde havia rolado uma confraternização. Pra variar eu era o único gasparense e agora precisava voltar para Gaspar. Sai da parada e fui sozinho para um ponto de ônibus ali perto. O meu plano era pegar um ônibus qualquer, já que, na minha ingenuidade, pensava que todo ônibus de Blumenau passava perto da FURB ou do Centro, objetivando por lá pegar um Verde-Vale. Ledo engano. Quando eu vi, o ônibus tinha ido pra puta-que-o-pariu, digo, bairro da Velha e entrado dentro da Hering Ômino, isso mesmo, a porcaria do ônibus entrou dentro de uma fábrica lá na Velha, isso as 3 horas da manhã de um domingo. Na verdade, descobri da pior forma que tinha pego o ônibus errado. Pra minha infelicidade aquele era um ônibus que levava os escravos proletários até seus postos de trabalho nos rincões mais longínquos de Blumenau. Cara, eu demorei um bom tempo pra conseguir chegar em casa naquela noite.

Mas, enfim, enquanto pensava, vi um ônibus se aproximando da plataforma. Quase todo mundo no terminal foi em sua direção. Abordei um sujeito e perguntei se aquele ônibus passava pela rua 7 de Setembro. "Sim, 7 de Setembro", ele respondeu meio sem vida. Entrei no ônibus. Ele ficou socado, mas mais pessoas continuavam entrado a todo instante. Quando o ônibus finalmente estava saindo, uma negona entrou berrando "sai da frente da porta que eu quero entrar". Sério, ela berrou isso. Quase todo mundo começou a cochichar, maldizendo a mulher. O ônibus fechou as portas e iniciou seu trajeto. "Isso é uma vergonha, o velho em pé e o novo sentado. Isso tem que acabar em Blumenau", a negona começou a berrar de novo. Eu não conseguia vê-la, na real, eu mal podia me mexer, o ônibus estava muito cheio, mas eu conseguia ouvi-la berrando. "Lá em Itajaí isso também acontece, essa cambada de vagabundo tem que tudo morrer", ela voltou a berrar. "Essa cambada tem que mete dois tiro na cara! Eu já matei um e mato outro se precisar, mas eu sei que deus perdoa 'os pecador'", a negona concluiu aos berros. Todos se entreolharam e continuaram cochichando sobre ela. Dei graças à buddha quando pude saltar são e salvo no meu ponto, em frente ao Shopping Neumonster.

Atravessei a rua e fui naquela Agência da Caixa Econômica ali perto. Fiquei uma meia hora na fila, pois precisava fazer uma parada que só dava pra fazer no caixa normal e não no caixa automático. Feito o que eu precisava fazer ali, atravessei a rua e entrei no Shopping. Eu precisava fazer umas ligações. Eu não sei se já mencionei aqui, mas, em razão das fortes chuvas que assolaram o "Vale Europeu" (sic) nas últimas semanas, meu celular foi pro barro, literalmente. Sou o legitimo gasparense de baixa renda, morando de favor, andando de ônibus e procurando orelhões para fazer ligações.

Liguei, em seguida caminhei até o último ponto da Beira-Rio, aquele na frente da prefeitura. Eu precisava escanear um negócio no laboratório de informática da FURB. Peguei um daqueles ônibus articulados e saltei na Martin Luther. Escaniei o que precisava escanear. Meu plano agora era almoçar e pegar um Verde-Vale até Gaspar, eu tinha que pegar uns negócios com a minha mãe. Foi ai que me lembrei: "Puta-que-o-pariu-filho-da-puta"®, eu havia me esquecido de devolver o DVD da Srta. K.M. "Merda, eu fui na porcaria do Shopping e me esqueci de devolver a porcaria do DVD", pensei. Almocei na cantina da FURB e sob o sol escaldante voltei a pé pro terminal da PROEB. Peguei a mesma linha que eu tinha pego antes, a 31, pois com ela eu tinha certeza de que iria parar na Rua 7 e não na porra da Velha ou qualquer outro bairro escroto de Blumenau. Se tu for ver, em Gaspar é muito mais fácil, o nome de quase todos os bairros é alguma variação da palavra Gaspar: gasparinho, gasparinho quadro, gaspar grande, gaspar mirim. Com certeza o Dr. Gaspar não foi tão criativo quanto o Dr. Blumenau, mas pelo menos não há como se perder de ônibus em Gaspar as 3 horas da manhã.

Mas, enfim, peguei o mesmo ônibus e saltei no mesmo ponto, defronte ao Templo do Capitalismo local e devolvi o maldito DVD.

Como é minha sina, mais uma vez, lá estava eu sentado numa porcaria de ponto de ônibus esperando por uma porcaria de ônibus. Agora eu precisava dum Verde-Vale, eu precisava ir a Gaspar pegar uns negócios com a minha mãe. O problema é que eu não fazia idéia de quando o próximo Verde-Vale viria, mas sentei ali no ponto do Shopping e esperei mesmo assim. Não sei se eu já comentei aqui, mas em decorrência das fortes chuvas que assolaram a região, meu Ipobre foi pro barro, literalmente, então, como eu não tinha música para escutar, lamentei ser um jovem proletário e rezei para que um dia deus deixasse eu ganhar um carro na Casa Feliz®, nada de muito chique, podia ser um Uno Mile mesmo, ou melhor, uma daquelas motinhos que fazem 100 quilômetros com um litro.

Passados uns 30 minutos, ao longe avistei um grande veículo verde claro, com pequenos detalhes em verde escuro e laranja se aproximando. Sorri de alegria e joguei as mãos ao céu em agradecimento. Bem dito seja o Senhor Jesus Cristo, lá vinha o Verde Vale. Nada traz mais felicidade para um proletário gasparense do que ver, após horas de espera, um Verde-Vale se aproximando no horizonte e finalmente poder ter a certeza de que, em breve, receberá os afagos da mãe amada. Eram 14:30.

Acontecimentos irrelevantes.

Saltei no penúltimo ponto da Beira Rio. Segundo Srta. K.M., eu deveria pegar um 12 (PROEB-Aterro via Esc. Agrícola) para retornar a sua casa. E, ao que parece, o 12 só para no penúltimo ponto da Beira-Rio. Isso era umas 18 horas e havia gente pra caralho no ponto. Mal eu sabia que todos pretendiam pegar o mesmo ônibus que eu. Era bem na hora do Rush isso e o ponto fica perto de uma sinaleira, então a Beira Rio tava cheia de carros naquele trecho. Era triste ver todos aqueles burgueses em seus carros climatizados nos olhando com o "rabo do olho", num misto de dó e deboche. Nunca entendi essa relação burguesia-ar condicionado. A impressão que tenho as vezes, é que a única oportunidade em que esses caras saem de seus ambientes climatizados é no caminho casa-carro e carro-trabalho e trabalho-carro e carro-boteco de bacanas, e assim para sempre. Qual a graça disso eu me pergunto. Não é a toa que suas maiores alegrias advêm de coisas como comprar celular cheio de funções inúteis ou comprar carros que fazem 10 litros por quilometro.

Mas, enfim, após uns 15 minutos, todos começaram a se agitar e a se aproximar do meio fio, lá vinha o 12. Velho, se tu acha que o estudante da 22 horas é paulera, tu precisa ver o 12 da 18 horas. "Vo ti dize pra ti"®, ali sim os fracos não tem vez. Eu não sei como coube tanta gente dentro daquela merda de ônibus. Sério. Depois desse ponto, o ônibus só parou no ponto seguinte, mas ninguém conseguiu entrar, então ele só voltou a parar no terminal da Proeb. E da Beira Rio até a PROEB eu fiquei absolutamente esmagado entre a catraca e uma gordinha. Na real é impossível explicar com palavras a afronta que andar nesse ônibus naquele horário representa para a dignidade da pessoa humana e todas as outras garantias constitucionalmente garantidas. Pra ti ter noção, do lado da cadeirinha da cobradora tinha uma guriazinha sentada na cadeira preferencial, sendo que, em pé, na frente da guria tinha uma velha. "Vai ver ela não viu", você pode pensar. Mas a verdade é que a cobradora pediu pra guria dar o lugar pra velha e a guria cagou e andou. Lamentável. Por mais que eu possa falar mal do estudante das 22 horas, pelo menos lá, eu tenho quase certeza que eu um jovem deixaria um velho sentar no seu lugar.

E mais, quando o ônibus parava pro pessoal desembarcar, ele tava tão socado que a galera não conseguia chegar na porta de saída, então a cobradora berrou lá do seu troninho "vamo dá um passinho pro lado pessoal, vamo se afastar da porta". Em resposta, alguem berrou anonimo do meio da multidão "o 'maleducada'", em coro outros falaram "vamo da um passinho pra onde? não dá nem pra se mexer aqui dentro". "Eu vou ter que pedir mais uma vez pra vocês sairem da frente da porta, porra", a cobradora berrou em resposta. Sério. Era uma selva lá dentro. Jurei pra mim mesmo que iria pegar o vermelinho da próxima vez.

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

I'm feeling lucky.




Não tão "en preve" voltarei, "ritler".

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

This is Bob


Depois de quatro anos laborando junto à Vara de Feitos da Brasil Telecom da Comarca de Tangamandápio, há algumas semanas pedi o boné.

Lá trabalhei durante quase toda a minha faculdade e tive a oportunidade de aprender na prática um monte de coisas sobre o direito. Na maior parte do tempo, mais de três anos, trabalhei em Cartório, na linha de frente do poder judiciário catarinense, levando tiro de todos os lados.

Além de aturar desaforo de partes exaltadas e dos malditos adevogados, minha rotina também incluía carregar pilhas gigantescas de processos e desempenhar os procedimentos cartorários rotineiros. Não era fácil, mas foi um período interessante da minha vida.

Após um tempo, por mais que eu gostasse de trabalhar em Cartório, cansado da rotina diária e seduzido pelas promessas de erudição fácil, acabei indo parar no baixo clero do poder judiciário barriga verde, supostamente um seleto grupo formado por indivíduos que detém o monopólio do conhecimento jurídico. Lá, segundo diziam, era possível dialogar com as mentes jurídicas mais brilhantes desde a antiguidade clássica.

Era uma mentira, os pretensos sábios do direito contemporâneo são uns imbecis, ressalvadas umas poucas exceções. A triste realidade é que, por mais que eles (os nobres) neguem, tentando argumentar que detém o notório saber jurídico, no judiciário catarinense todos fazemos parte do mesmo bolo fecal, sem exceções.

Mas enfim, a parada é que resolvi pedir o boné, pois não consegui assimilar a lógica do baixo clero de Tangamandápio. Então chutei o balde e com o dinheiro das verbas rescisórias pretendo viabilizar uma nova ida à terra prometida do Tio Sam. Devo ficar lá uns meses, trabalhando como mão de obra barata e desqualificada, vivendo e trabalhando lado a lado com outros latinos subempregados, homens simples na eterna busca pela acumulação fácil de capital, digo, o sonho americano.

terça-feira, 11 de novembro de 2008

e a Justiça é mais severa com os homens mais desarmados


Como disse esses dias, recentemente "pari" minha tese de graduação, popularmente conhecida no meio acadêmico como Tese de Conclusão de Curso (TCC), cujo processo de confecção foi longo e doloroso como dar luz a uma criança de 10 kg.

Agora, então, estou cada vez mais próximo de me tornar um bacharel em porra nenhuma, digo, bacharel em direito. A conseqüência natural disso, infelizmente, é me tornar um advogado frigido e desiludido com a vida, aguardando ansiosamente pelo dia em que deus acabará com minha miséria.

Todavia, antes de pular no fosso de uma vida vazia e sem sentido, resolvi dar uma última chance aos antigos anseios de garoto sonhador e cheio de vida que eu costumava ser. Para tanto, é bem provável que em dezembro eu retorne ao Sazunidos.

Lá perseguirei meu sonho de me tornar um famoso ator pornográfico, assim como meus ídolos Kid Bengala e Carlos Bazuca. O primeiro teste ocorrerá em 16 de dezembro na ensolarada California, capital mundial da conjunção carnal simulada, estado aonde, diariamente, são filmadas centenas de milhares de películas protagonizadas por pessoas praticando diversas modalidades de sexo com outras pessoas e/ou cabras.

Não vai ser fácil, o requisito para ser contratado é se sair bem em uma bateria de provas de "resistência", como "corrida de ida e volta", "teste de pressão manual", "impulsão horizontal", "flexão de abdômem no solo", "teste de flexibilidade", "resistência cardiorrespiratória", "resistência muscular", "velocidade de movimento do membro", entre outros, cujo objetivo é testar minha "aptidão física".

Isso sem contar os exames médicos, nos quais serei testado por perebas, moléstias incuráveis ou transtornos psíquicos-psicológicos que poderiam afetar minha performance.

De qualquer forma, posso dizer que estou confiante. Nos últimos 12 meses tenho me dedicado de corpo e alma a uma rotina de treinamento árdua, formulada por uma junta composta pelos melhores profissionais da educação física e da sexologia. A série de exercícios diários consiste em uma seqüencia ordenada e sucessiva de 10 horas de atividades físicas que unem a arte do movimento de vai e vem com as consagradas técnicas do kama-sutra.

É de se ressaltar a grande ajuda prestada por Srta. K.M., sem a qual, mencionados exercícios não seriam possíveis.

Enfim, postarei aqui, ao longo dos próximos meses, o desenrolar dessa minha nova empreitada.

Desejem-me sorte. Tá ligado eu sou o bixo!

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

prachtige foto's van naakte Braziliaanse meisjes

Após passar um mês na Argentina, onde dediquei-me exclusivamente à confecção da minha tese de doutorado intitulada: "a ação civil pública como forma de obtenção de cirurgia de aumento peniano junto ao SUS", finalmente retornei, agora com a titulação de PhD Lato Sensu.

Ressalto que trata-se de um fato inusitado em Gaspar, pois, antes, a pessoas com maior grau de escolaridade nesta cidade possuia ensino fundamental incompleto.

Bem, vencida essa fase, agora poderei retomar minhas atividades neste blog, onde buscarei fornecer conteúdo de qualidade para meus leitores que, em sua maioria, são "punheteiros" procurando por vídeos do Kid Bengala no gugli, à execão de Srta. K.M., PhD F.F.A. e Gatinho Siamês n. 2.

Enfim, muita coisa aconteceu durante o período em que estive na Argentina, porém deixarei para tecer maiores comentários outra hora.

Todavia, só para dar uma pequena amostra de minha andanças por Buenos Aires, veja essa foto tirada lá, onde Srta K.M. e eu fomos capturados pela lente da camera dando vazão a nossa lascivia, trocando um beijo caliente, como dizem por lá, nas proximidades da famosa Avenida Corrientes.
felipe fernandes albrecht

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Morri, mas em breve voltarei (DA SILVA, 2005).

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Foto di belle donne brasiliane



- André Dahmer

domingo, 5 de outubro de 2008

Resultado das Eleições para Prefeito e Vereador em Gaspar (2008)


Finalmente, as eleições gasparenses chegaram ao fim.

Meus candidatos, Prof. Sérgio para prefeito e Edevilson da Costa para vereador, sucumbiram. O que, na verdade, eu já esperava, até por que, nenhum dos dois detinha o poderio econômico necessário para garantir uma tetinha junto ao Poder Público gasparense.

O resultado foi um alívio, pois, felizmente, "despotasinho" não conseguiu perpetuar seu reinado de terror. Quem ganhou foi o "petista" com mais de 14 mil votos, cerca de 49% dos votos válidos, contra 8 mil votos de "despotasinho".

Devo admitir que, apesar das pesquisas, eu temia um resultado favorável à "despotasinho".

E é evidente que aqueles que lutaram pela candidatura do atual prefeito em 2004, passaram o dia exaltando suas vicitudes, maldizendo-o, torcendo pela oposição, como se ele tivesse mudado, como se ele em algum momento já foi digno de voto. Triste.

Ademais, enquanto auxiliar da (in)justiça, passei o dia todo indo averiguar denuncias de crimes eleitorais pela cidade. Assisti da primeira fileira o quão podre são os eleitores deste país. De fato, nossos políticos são os representantes do povo brasileiro.

Já com relação aos vereadores eleitos, nada de novo sob o sol amarelo:
- Amarildo Rampelloti (PT - 1237 votos);
- Raul Schiller (PMDB - 1053 votos);
- Kleber Wan Dall (PMDB - 1039 votos);
- Engenheiro Rodrigo (PV - 1018 votos);
- Tonho Dalsóchio (PT - 860 votos);
- Claudionor de Souza (PSDB - 786 votos);
- Lu (PP - 780 votos);
- Melato (PP - 713 votos);
- Jorge (PT - 638 votos);
- Joceli (DEMo - 539 votos);

Votos nulos, em Gaspar, foram 905. Mais "voto" do que muito vereador que se elegeu.

Alguns quilômetros para o norte, em Blumenau, nenhum dos candidatos que receberam meu apoio conseguiram se eleger: Secco recebeu 275 votos; Professor Osní, 130 votos; Markito, 104 votos; Dionei da Cunha, 14 votos.

Maiores informações estatísticas podem ser obtidas no saíte do Terra Inc..

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Publicada última pesquisa eleitoral em Gaspar antes da eleições

Saiu hoje (03/10), no "Cúzeiro", a última pesquisa de intenção de votos antes das eleições que realizar-se-ão neste domingo. Confira os resultados:

- Em quem você votaria (estimulado):



- Em quem você não votaria (espontânea):



Ou seja, tudo continua na mesma. Vale destacar que "despotasinho", como sempre, reina soberano no quesito: "em quem você não votaria em hipótese alguma?", com 36%.

É uma pena que José "Latão" Ouriques não seja candidato em Gaspar, ai pelo menos haveria um candidato digno de voto.

E por falar no "Latinha", eu tava dando uma garimpada no Youtube e, pasmem, achei alguns vídeos protagonizados pelo futuro prefeito de Blumenau, veja só:

- Campanha José Ouriques 36 Candidato (propaganda eleitoral do Latinha)
- Latinha jurado de morte (nem sabia que ele havia sido jurado de morte)
- José Ouriques no debate em Blumenau


Ademais, fora os vídeos que eu uploadei, o único vídeo de candidato a vereador blumenauense no Youtube é, evidentemente, um do Dionei da Cunha. É basicamente igual ao meu, mas nessa gravação foi utilizado um método menos rudimentar.

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Publicada nova pesquisa de intenção de votos para Gaspar

Hoje, 01/10/2008, saiu no Jornal "Mêtas" uma nova pesquisa de intenção de votos para prefeito em Gaspar.

Veja alguns dos resultados:

- Em quem você votaria:


- Em quem você não votaria:


Os resultados são bem similares aos obtidos na pesquisa feita pelo Sucos del Valle dias atrás: O "petista" lidera as intenções de voto com quase 38%, seguido de "despotasinho" com 13%, "Ensino Fundamental Incompleto" com 10%, "representante da burguesia local" com 6% e Sérgio com 1%.

Chama a atenção os 28,25% de pessoas que ainda não sabem em quem vão votar, logo, apesar da vantagem do "petista", parece-me que o resultado ainda é uma incógnita.

Por óbvio, "despotasinho" mantem a liderança isolada na pesquisa intitulada: "em quem você não votaria em hipotese alguma", com mais de 37%.

A integra da pesquisa pode ser vista aqui.

Lamentável ver agora, na reta final, aqueles que na eleição passada fizeram campanha pra "despotasinho", inclusive dois dos candidatos, outrora vice e secretária de saúde, respectivamente, maldizendo "despostasinho".

Hoje, inclusive, ouvi um partidário de "ensino fundamental incompleto" dizendo, em alto e bom som, que "prefiro deixar o PT ganhar a ver despostasinho se perpetuar no poder". Triste. Esquecem-se que, até ontem, lambiam as bolas de "despotasinho".

É bem sabido que o "déspota gasparense" era do PMDB, mas, após exaustiva análise da obra "O Capital" de Karl Max, foi seduzido pela promessa de igualdade para todos do socialismo, e filiou-se ao PSB.

Mas, enfim... Morram todos...

Então não se esqueça, vote 50000 na cabeça!


Como bem observaram alguns leitores deste blog, quando do upload dos vídeos mencionados neste post, por motivos que desconheço, o Youtube dessincronizou de forma muito acentuada o áudio e o vídeo dos arquivos.

De fato, uploadei os vídeos e esqueci de conferir se tudo tinha rolado dentro dos conformes. Para a minha surpresa, não.

Mas, enfim, recodifiquei o aúdio dos vídeos que estavam apresentando problemas de sincronia e fiz nova tentativa de upload para o Youtube.

Os que estavam com "pobrema" e agora, supostamente, foram arrumados, são os seguintes: - Dionei da Cunha - Lore da Dengue - Antônio Neves - Markito - Professor Osni - Secco.

Tudo parece estar OK. Qualquer coisa é só avisar.

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Foragidos do Presídio de Blumenau

Moro...
Num país tropical,
Abençoado por Deus
E bonito por natureza (Mas que beleza!)

(País Tropical - Jorge Ben)

Você que acompanha esse blog, sabe que fui sorteado para ser jurado em dois juris que rolaram em Gaspar, um na quarta passada e outro na outra quarta. No da outra quarta, não fui sorteado para compor o Conselho de Sentença, mas fiquei ali assistindo até o final. Naquela oportunidade, um pobre diabo de Xaxim foi condenado a 4 anos de prisão.

Já no juri de quarta passada, fui escolhido para compor o Conselho de Sentença, ou seja, efetivamente fui jurado e tive poder de votar na hora de decidir o futuro do cidadão.

Apesar do réu ser de Chopinzinho no Paraná (Lembrai-vos da minha teoria), entre os sete jurados, eu acabei sendo o único a votar por sua absolvição. Quis fazer justiça social, mas meus ideais não foram páreo para a ignorância alheia. Como se prender alguém fosse "ressocializá-lo" ou deixá-lo menos bandido...

Enfim, o cara foi pra jaula e só eu votei por sua absolvição, mas esse não é o motivo deste post.

O motivo deste post, é que o cara voltou pro presídio de Blumenau na quarta e na quinta de noite ele fugiu! Ele e mais 15 bilontras, entre eles diversos bilontras gasparenses, diga-se de passagem.

É, parece então que prender o cara não resolveu o problema...

Detalhe: os caras fugiram na quinta e a administração do presídio só deu falta na sexta. (Mas que beleza!)

Referência:
Notícia: Fuga em Massa @ Jornal de Santa Catarina. Link acessado em 30/09/2008.

Pesquisa eleitoral revela os candidatos a vereador mais fortes em Blumenau


Muito embora seja o lar das maiores mentes pensantes do Vale, não há em Gaspar um canal de televisão. Sendo assim, nossa propaganda eleitoral gratuita se restringe às rádios locais.

Todavia, em Blumenau há uma série de canais de televisão, e "vô ti dize pra ti": a propaganda eleitoral ali é mais engraçada doque a Zorra Total, a Praça é Nossa e as piadas de sogra/maridão do Faustão juntas!

Dessa forma, com auxilio de Srta. K.M., e na falta de equipamento mais apropriado, no último domingo filmamos alguns candidatos blumenauenses que passaram na TV e "uploadamos" ao Iutubiu.

Quais sejam: - Hélio Maffezzoli - Tio Paulo - Dionei da Cunha - Lore da Dengue - Antônio Neves - Markito - Professor Osni - Secco.

Não se trata de deboche, nem nada do tipo. Na verdade, como são os candidatos mais cotados para serem eleitos, vemos nosso ato como uma forma de exigir deles, uma vez eleito, que cumpram suas promessas, pois temos elas gravadas.

Penso eu, caso eleitor blumenauense fosse, que ficaria na dúvida entre votar no Secco e no Dionei da Cunha. A meu ver são os dois candidatos mais carismáticos e donos das propostas mais concretas. O Hélio Maffezzoli também é um bom candidato, com sua oratória impecável arrecadará muitos votos, pena que não seja um Blumenauense nato.

No mais, é uma pena que demoramos muito para filmar e agora o Secco mudou seu discurso e não fala mais de forma rimada, mas fica ai o registro.

E você, qual desses candidatos ganharia seu voto?

domingo, 28 de setembro de 2008

Fome de Sexo


Tenho acompanhando de perto cada passo da campanha de Clóvis Basílio dos Santos, o Kid Bengala, candidato a vereador em São Paulo e ator pornô. Foi aqui que você viu, em primeira mão e com exclusividade, que Kid Bengala prometeu se aposentar dos sets de filmagem caso seja eleito...

Mas, enfim, dando prosseguimento a minha cobertura exclusiva, esses dias mandei um e-mail para a Câmara Municipal de São Paulo e indaguei: "quanto ganha um vereador dessa Casa por mês?"

Surpreendentemente, fui respondido em pouco minutos: "um vereador em São Paulo ganha nove mil mangos por mês".

ME ENSINA!

E agora eu me pergunto: Quanto será que Kid Bengala ganha por mês atuando em filme pornográficos? Será que é mais de R$ 9.000,00? Será que ele conseguirá cumprir sua promessa?! Só o tempo dirá...

Só pra terminar, enquanto eu procurava mais material sobre a campanha de Kid Bengala, deparei-me com esse absurdo (print screen abaixo) postado em um fórum.


Triste. Vereador em Brasília? Nem se Brasília tivesse Câmara de Vereadores! Passo merda na cara..

Vera Regina Pereira de Andrade


Só pra constar: "Tá ligado" que na semana passada comprei um livro pela Estante Virtual? Pois é, tudo ocorreu dentro do esperado; paguei na sexta passada e recebi nessa sexta agora. Desembolsei só R$ 5,00 de frente e recebi o negócio em uma semana. Se tivesse comprado a parada, por exemplo, pelo submarino, teria comprado o livro pelo dobro do preço e pago R$ 20,00 de frete simples.

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

3a Seção do STJ decidi que a presuncão de violência do art. 224 é de caráter absoluto


Em nosso Código Penal, existe um título (VI), a partir do art. 213 até o art 234, que versa sobre os Crimes Contra os Costumes. Inserido nesse título, há um capitulo dedicado aos Crimes Contra A Liberdade Sexual.

Os crimes contra a liberdade sexual são, para quem não sabe, o estupro (art. 213), atentando violento ao pudor (art. 214), posse sexual mediante fraude (art. 215), atentado violento ao pudor mediante fraude (art. 216) e assédio sexual (art. 216-A).

Basicamente, são crimes que, como o nome diz, atentam contra a liberdade sexual de alguém, contra a liberdade daquela pessoa de "dar" quando ela quiser e para quem ela quiser, entende?

Então, por mais que você queira comer alguém, ou pelo menos dar uma bolinadinha, não é possível fazê-lo sem seu consentimento.

As penas desse capítulo variam de um a dez anos.

De qualquer sorte, dentro desse mesmo título (VI), mas um pouco mais pra frente (arts. 223-226), no capítulo de n. IV, encontram-se as disposições finais, onde estão colocadas algumas circunstâncias que podem aumentar a pena do infeliz, bem como o procedimento que deve ser adotado para apuração desses crimes.

E é ai, no capítulo IV, que está o famoso artigo 224, "a":

"Art. 224 - Presume-se a violência, se a vítima: a) não é maior de catorze anos"

Ou seja, pela letra fria da lei, se você, por exemplo, "comer" uma mocinha de, digamos, 13 anos, independentemente do fato de ela ter consentido ou não com a sacanagem, para fins penais, considera-se que ela foi obrigada, estuprada.

O que ocorre, é que nosso Código Penal é de 1940! E minha nossa, como as coisas mudaram nos últimos 68 anos; o início da vida sexual se dá cada vez mais cedo, práticas sexuais não ortodoxas são cada vez mais comuns, outros valores, outra cultura com relação ao sexo. Na televisão, mulheres semi-nuas balançam suas bundas na frente da câmera sem o menor pudor. Emburreceu-se o sexo.

Então, tendo em vista que o art. 214, "a" foi escrito há quase 7 décadas atrás, alguns juízes começaram a relativizar sua aplicação em certas situações, principalmente quando ficava demonstrado que a suposta vítima havia consentido com a sacanagem.

Nesse sentido:

"Passados mais de sessenta anos, parece evidente que a presunção de que trata o a norma (Art. 224, ‘a’, CP), merece ser relativizada. Os padrões morais da sociedade, a contar da elaboração do Código Penal sofreram significativas mudanças, especialmente no que tange à sexualidade do indivíduo. Recurso Defensivo Provido." (TJRS: Ap. Crim. n. 70021828678, julgado em 11/06/2008)

E ainda:

"Ambientado na promiscuidade sexual, é de inferir-se que o menor detinha consciência do ato e era capaz de com ele consentir. Recurso Defensivo Provido. Recurso Ministerial Prejudicado." (TJRS: Ap. Crim. n. 70023003981, julgado em 12/03/2008)

Até certo ponto, corroboro essa relativização do dispositivo legal em questão. Até por que, como já foi dito, trata-se de uma norma feita há 68 anos atrás; e, da mesma forma, não é necessário ser muito inteligente para se verificar que vivemos em um mundo completamente diferente nos dias atuais.

Mas, na realidade, eu disse isso tudo só pra chegar numa notícia publicada no saíte do Superior Tribunal de Justiça, tribunal cuja "função primordial é zelar pela uniformidade de interpretações da legislação federal brasileira", no dia 23/09.

A notícia é essa: "Presunção de violência em crime contra os costumes cometida com menores de 14 anos é de caráter absoluto."

Assim, o STJ decidiu que não tem "xixi minha nega", assanhar-se com guariazinha/gurizinho menor de 14 anos é estupro/atentado violento ao pudor e acabou.


A celeuma toda começou, na verdade, por que nesse mesmo processo em que o STJ decidiu isso, já se tinha oportunizado ao cara provar que a guria era "safada" para, quem sabe, se livrar da jaula. Mas enfim, os caras que ganham R$ 24 mil reais lá em Brasília decidiram que:

"A Terceira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ), por maioria, entendeu que possui caráter absoluto a presunção de violência em crime contra a liberdade sexual (estupro) cometida com menores de 14 anos de idade. Para a Seção, uma jovem que não tenha mais de 14 anos, ainda que já corrompida ou afeita aos prazeres carnais, pode, de fato, ser vítima do denominado estupro ficto. [...] O relator dos embargos, ministro Napoleão Nunes Maia Filho, apesar da divergência existente entre as duas Turmas, filia-se ao entendimento de que a presunção de violência é absoluta. Para ele, o que a norma busca proteger são as pessoas que, por algum motivo, no caso da menor de 14 anos pela imaturidade, não possuem o discernimento necessário para responder por atos dessa natureza, sendo, portanto, irrelevante a anuência da menor."

Apesar dos pesares, dentro do caso concreto mencionado, não discordo da decisão.

Só uma última observação, é que nesse caso, mais uma vez, utilizou-se do clássico argumento de que a guria é vagabunda para justificar um estupro. Triste. Mas deixo para fazer maiores comentários sobre isso em outra oportunidade.

Referências:
* Código Penal (DEL 2848/40) @ planalto.gov.br;
*Presunção de violência em crime contra os costumes cometida com menores de 14 anos é de caráter absoluto @ stj.jus.br;
*Superior Tribunal de Justiça @ pt.wikipedia.org;
- Links acessados em 25/09/2008.

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Bomba: Kid Bengala anúncia sua aposentadoria, caso seja eleito vereador


Era só um e-mail inocente ao candidato a vereador de São Paulo, Kid Bengala, e acabou virando um furo de reportagem do Gaspar em Revista. É uma notícia bombastíca que abalará as estruturas do sofrível pornô nacional. Confira com exclusividade:

E-mail que enviei para Kid Bengala em 11/09:
"Clóvis,

Primeiramente, gostaria de externar meu apoio a sua candidatura.
Tenhas certeza que poderás contar com meu voto no dia 05 de outubro.

Só queria saber de ti uma coisa, você acha que a sua carreira pode
afetar a imagem que as pessoas fazem de ti ou achas que tua fé no
Senhor é capaz de superar isso?

Um grande abraço"


Passados mais de dez dias, achei que Kid Bengala havia cagado pro meu e-mail. Ledo engano. Confira agora, com exclusividade no Gaspar em Revista, uma notícia que irá abalar a indústria pornográfica luso-tupiniquim:

Com certeza,a minha carreira não sera um obstáculo na minha campanha...
Pelo contrário é um detalhe que a fortalece muito, me orgulho do que faço e lhe confesso: tenho um propósito,encerro minha carreira de ator porno,assim que declarado vereador é meu propósito com DEUS.

OBRIGADO pelo apoio
KID Bengala


BOMBA: Kid Bengala promete ao bom Deus que irá se aposentar do ramo pornográfico caso seja eleito vereador! BOMBA! Com certeza é uma notícia chocante! Existe alguém capaz de "preencher" (trocadilho) o espaço deixado por Kid Bengala? Não sabemos, só o tempo dirá.

Mas, enfim, resumindo: se eleito vereador, Kid Bengala, "o rei do pornô nacional", prometeu ao nosso Senhor que irá "pendurar as chuteiras". E lembre-se, você viu primeiro no Gaspar em Revista.

Só concluindo, a pergunta mais importante é a seguinte: será só mais uma promessa de campanha? Pois fique sabendo, Sr. Bengala, que ficarei de olho para ver se cumprirás tua promessa. Tenho guardado o e-mail que me enviastes e cobrarei de ti isso, caso fores eleito.

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Enciclopédia Barsa Online


Monk certa feita me contou que um certo vendedor de enciclopédias havia chego na Galhota. Referido vendendor, então, dirigiu-se à prefeitura, pois queria falar com o prefeito para, quem sabe, vender umas enciclopédias para o Município.

Chegando ao gabinete do prefeito, apresentou-se. A secretária, por sua vez, pediu que ele aguardasse um pouco, pois o prefeito estava no meio de reunião importante.

A secretária não era bonita, mas também não era feia. Enquanto aguardava, fitou-a por alguns instantes, mas desviou o olhar quando seus olhos se encontraram.

Passados uns poucos minutos, a secretária avisou-lhe que poderia entrar.

Agradeceu com um sorriso, levantou-se e dirigiu-se a porta que dava para o gabinete do prefeito.

Entrou, o prefeito pediu que ele se sentasse e perguntou, rispidamente, o que ele queria.

- Bem, eu tenho aqui a nova Barsa para vender.

Mas, antes mesmo que o podre vendedor pudesse concluir, foi interrompido pelo prefeito que disse grosseiramente:

- De "barsa" nós estamos de saco cheio, nós queremos mesmo é uma ponte!

Sem entender direito, o vendedor se despediu, embarcou no carro e partiu para a próxima cidade.

O Melhor de Kid Bengala

Lares quebrados. Assassínios. Suicídios. A morte. A crise. Etc. Uma radiografia sintomática do que se aloja no ventre da pornografia. Congratulamo-nos, portanto, com a recente lei que restringiu um pouco esta vertiginosa cavalgada para o caos moral, e automaticamente para a destruição social. Sabemos contudo que não é suficiente, porque a lei não pode extrair da alma dos seres humano esse cancro que jorra e alimenta esta putrefacção. Só Cristo é arma para a sua destruição, porque só Ele satisfaz autenticamente as necessidades legítimas da felicidade do homem. (Portal Evangélico)


Da página do canditado Clóvis Basílio dos Santos, o popular KID BENGALA, já conhecido dos leitores deste blog, colhe-se:

Natural de Santos e pai de três filhos, Clóvis Basílio dos Santos, o popular e carismático Kid Bengala, 53 anos, é mundialmente conhecido pelos diversos filmes para adultos que protagonizou em mais de 27 anos de carreira, distribuindo diversos autógrafos por onde passa. Porém, pouca gente sabe que Kid Bengala é formado como melhor aluno em projeto de ferramentas pelo SENAI, em São Paulo.
É evangélico e freqüenta o culto todas as sextas e domingo. Sua preocupação com o bem-estar das pessoas e com a desigualdade social que assola a cidade de São Paulo leva-o a tentar, pela primeira vez, conquistar uma cadeira na Câmara dos Vereadores de São Paulo pelo PPS, filiado desde 2007


Projeto de ferramentas?! Evangélico?! Eu tenho certeza que KID BENGALA deve ser muito habilidoso com a sua "ferramenta", mas querer se pagar de evangélico fervoroso, com licensa né, ô. Penso eu que a profissão de KID é, no mínimo, incompatível com a exercício da fé cristã.

O bom Deus, há muito tempo atrás, lá no Monte Sinai, escreveu em pedra, para que nunca se apagassem, seus dez mandamentos. O mandamento de n. 09, por sua vez, é claro quando afirma: "não cobiçarás a mulher do próximo".

Em total confronto com este preceito basilar dos cristão, Kid atua em filmes com os seguintes títulos: Fome de Sexo, reféns do sexo, kid bengala e suas ninfetas, coroa nota 1000, etc.

Como se isso já não fosse o suficiente para garantir-lhe uma vaga ao lado do Cão, veja a descrição de alguns dos filmes que Kid protagonizou: "Com uma rola deste tamanho, não existe camisinha que agüente, então vai sem mesmo, para o desfrute destas belas mulheres. Cenas de ANAL!!", "Desta vez ele (Kid Bengala) é mau, vai abusar e violentar suas reféns em 4 cenas eletrizantes com muito ANAL e SEM CAMISINHA", "Uma deliciosa coletânea com as melhores cenas do Rei do pornô (Kid Bengala) com seus 33 cm reunidas em três horas.", "A maior lenda do pornô brasileiro (Kid Bengala) está de volta arrombando suas lindas beldades e, SEM CAMISINHA!!!", etc.

Oras, bom fosse se Kid só cobiçasse a mulher alheia, mas na realidade ele vai muito além disso. Em verdade, cobiçar a mulher do outro, entre outras safadezas, constitui o modus vivendi de KID BENGALA, e não será indo à igreja "todas as sextas e domigo" (sic) que o livrará do fogo eterno.

Referências:
kidbengala23333.can.br
pt.wikipedia.org/wiki/Dez_mandamentos
gregwolf.com/pt-bible/Exodus.htm#20
brasileirinhasnet.com.br[...] (conteúdo adulto)
- Acesso aos links mencionados em 22set2008

domingo, 21 de setembro de 2008

Modelo de Habeas Corpus


Notícia publicada no saíte do STJ em 19/09: STJ rejeita princípio da insignificância em furto de peças de roupa.

Segundo referida notícia, uma senhora furtou de uma loja três camisas e sete bermudas, que, juntas, perfazem R$ 275,00. Em razão disso, a mulher foi pra jaula e seu devogado, por conseguinte, impetrou um Habeas Corpus.

Em grau de recurso, mencionado Habeas Corpus chegou ao STJ e lá foi pro barro, já que o Exmo. Sr. Dr. Super Ministro negou-lhe provimento. A defesa pedia a aplicação do princípio da insignificância, mas o Ministro/Deus rejeitou a tese, haja vista que "para aplicar o princípio, deve-se ter em conta a mínima ofensividade da conduta do agente, a nenhuma periculosidade social da ação, o reduzidíssimo grau de reprovabilidade do comportamento e a inexpressividade da lesão jurídica provocada."

Não digo que a senhora em questão não deva apodrecer na cadeia, mas me causa estranheza que ela foi enjaulada por furtar R$ 275,00, enquanto que Maluf, Daniel Dantas e outros bilontras de alto gabarito surrupiam milhões de dolares e continuam livres, leves e soltos.

Não obstante suas condutas sempre oferecem gravíssima periculosidade social, altíssimo grau de reprovabilidade e expressiva lesão jurídica, seus Habeas Corpus são sempre acolhidos pelos Hiper-Deusembargadores, sempre super comprometidos com a justiça.

Novamente, não defendo que a senhora que furtou camisas e bermudas não deva ser presa, mas se for pra prendê-la, por que não são presos os bilontras de colarinho branco também?

Se tu for ver, o que te causa maior impacto negativo? O que causa maior impacto negativo na sociedade brasileira como um todo: alguém que furta três camisetas ou alguém que desvia milhões de reais dos cofres públicos? Milhões de reais que poderiam ter sido usados para construir escolas ou hospitais... Penso eu que a lesão causada na segunda hipótese é infinitamente maior, mas por que só os pobres diabos que furtam camisetas vão pro xilindró?

Vai entender...

Quem sou eu pra te recomendar algum livro, mas caso você tenha se interessado pela questão:

- ANDRADE, Vera Regina Pereira de. A ilusão de segurança jurídica: do controle da violência a violência do controle penal.
-CARVALHO, Amilton Bueno de. Magistratura e direito alternativo.
- ZAFFARONI, Eugenio Raul. Em busca das penas perdidas: a perda de legitimidade do sistema penal.

sábado, 20 de setembro de 2008

Link para receber as revistas Veja, Caras e VIP de graça


Gatinho Siamês n. 1, grande amigo meu aqui de Gaspar, passou-me o bizu-mor para lesar financeiramente a Editora Abril.

Trate-se de um golpe para receber algumas edições gratuitas das seguintes revistas:
- Veja, aquela revista onde só são publicadas verdades absolutas;
- Caras, aquela revista onde você fica sabendo quem está comendo quem;
- VIP, aquela revista que deixa a mão peluda.

O modus operandi você encontra neste link: http://ciadosdescontos.com[...]

Na real, meu mano-brother já havia me passado o link há duas semanas atrás, mas antes de publica-lo aqui, resolvi testa-lo para ver se funcionava de fato.

Para tanto, escolhi a revista Caras. Sim, eu sei que a revista Caras é uma revista desprezível voltada para seres desprezíveis, todavia, deixe-me explicar: É que dentre as três revistas disponíveis, meus pais, lamentavelmente, já assinam a revista Veja, e se eu tivesse pego a revista VIP, isso com certeza teria resultados nefastos no meu relacionamento com Srta. K.M., entende? Então, por isso, escolhi a Caras.

Mas, enfim, a prova de que o golpe funciona pode ser vista na imagem que ilustra este post. Como você pôde ver, Michael Jackson recebeu a primeira de seis edições grátis de Caras hoje. Ademais, é aconselhável utilizar ao menos um CPF falso para fazer o cadastro. Um CPF mandrake pode ser obtido aqui.

Só finalizando, uma das regras da parada é que você só pode usar uma única vez um n. de CPF para receber as seis edições grátis (mais um motivo para utilizar um falso), então, com CPFs falsos, em teoria, eu poderia receber edições de Caras na faixa ad eternum. Veremos se funciona...

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Populares protestam contra novo ponto da FURB

INJUSTÇA! INJUSTIÇA! INJUSTIÇA!

No apagar das luzes de ontem, cometeu-se uma grande violência contra os gasparenses de baixa renda. Desativou-se aquele ponto defronte à reitoria e implantou-se um novo, bem chechelento diga-se de passagem, um pouco antes.

Com certeza foi fruto de muito planejamento urbanistico, pois colocaram o ponto logo depois de uma curva acentuada e movimentada, aquela da Rua São Paulo com a Antônio da Veiga.

Veja só a merda que fizeram:

Ponto antigo = marcação em vermelho. Novo ponto = marcação em amarelo.


Ademais, o ponto anterior era antigo, porém sólido, grande, espaçoso e possuía uma enorme cobertura. O novo, por sua vez, é daqueles podres, com eternite e vigas de alumínio. Quase não possui espaço para se sentar, além de deixar os pobres gasparenses pobres, desculpem o pleonasmo, a mercê das intempéries climáticas.

É triste viver em uma sociedade, na qual os detentores do poder econômico e seus rebentos não precisam andar de ônibus, assim pouco importa se aqueles pobres diabos terão que se expremer no ponto em dias de chuvas, o importante é que assim se ganha mais dinheiro.

Malditos porcos! Estou cansado de tanto descaso para comigo e meu pares, mas prometo: ei de descobrir quem foi o filho-da-puta que teve essa ideia brilhante.

Quem sabe um dia eu também terei um carro do ano com ar-condicionado, mas enquanto esse dia não chega, terei que buscar abrigo da chuva e do sol escaldante sob o manto da eternite.

INJUSTÇA! INJUSTIÇA! INJUSTIÇA!

Estante Virtual - Procura de livros em mais de mil sebos

Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios: VI - instituir impostos sobre: d) livros, jornais, periódicos e o papel destinado a sua impressão (Constituição da República).


Hoje em dias pouco se lê neste pais, prefere-se assistir ao "Freakshow do Faustão" e ao "Lixão do Huck". Da mesma forma, caso você tenha gosto pela leitura, deve-se submeter à fome de lucro fácil do mercado editorial nacional e seus livros caríssimos.

Até hoje não entendo como algo que tem tantas isenções fiscais, pode custar muito mais que um CD ou algum badulaque made in Taiwan. Bem, tudo faz sentido quando nos lembramos que moramos no Brasil.

De qualquer sorte, caso você esteja procurando por algum livro, com o intuíto de comprá-lo pela internet, sempre dê uma olhada no estantevirtual.com.br antes.

O saíte supramencionado faz uma busca do livro que você está procurando em mais de mil sebos espalhados pelo Brasil. Vai que você dá sorte e encontra-o por um preço inferior ao praticado nos templos do capitalismo.

Apenas à guiza de curiosidade e para justificar o motivo dessa indicação, é que eu tava procurando por um livro que, nas lojas custava insensíveis 72 mangos, sendo que ali encontrei-o por 38 pilinha.

Só lembrando que, claro, os livros ali constantes são usados, mas, enfim, é uma alternativa para os gasparenses de baixa renda.